Da biblioteca: Fahrenheit 451, de Ray Bradbury

* Livro disponível nas bibliotecas públicas de Birmingham

Reprodução

Fahrenheit 451 – a temperatura na qual o papel do livro pega fogo e queima.

O tema “queima de livros” por si só me intriga – ocorreu na Inquisição, no regime nazista, nas ditaduras brasileiras.

Ray Bradbury imaginou, em frente a uma máquina de escrever em 1953, como seria um futuro em que bombeiros teriam como missão a queima de livros, ao invés de aplacar incêndios.

O resultado está em menos de 200 páginas, escritas em nove dias.

Para mim, essa é um dos melhores aspectos da obra: uma história complexa em uma narrativa enxuta, que ainda hoje soa moderna e nos faz questionar a realidade atual.

No mundo do bombeiro Guy Montag, livros são proibidos por serem considerados a fonte de toda a infelicidade do mundo.Sair com o carro em alta velocidade é permitido, para desestressar. As paredes de uma casa podem ser como telas de TV imensas, em que os apresentadores se tornam a sua família.

Todos são felizes, sem nada questionar.

Mas uma menina, Clarisse, questiona, e leva Montag a questionar.

“Tentei imaginar”, disse Montag, “como seria. Quero dizer, bombeiros queimando nossas casas e nossos livros.”

“Mas não temos livros.”

“Mas e se tivéssemos alguns?”

Você tem alguns?”

A história provoca reflexões sobre o poder da mídia e o uso de drogas (mesmo legais), mas, principalmente, conformidade. Alguns nem se dão conta, enquanto outros, como o personagem Faber, têm noção da situação, mas temem se pronunciar. De certa forma, como em um Brasil pré-protestos (ou a mentalidade não mudou?). 

Farhrenheit 451 foi um dos melhores livros que li em 2013, ao lado do fantástico The Road (A Estrada), de Cormac McCarthy (também disponível nas bibliotecas de Birmingham).

A versão do livro de Bradury para o Brasil foi editado pela Globo Editora. Nas telas, a história foi adaptada por François Truffaut, uma visão bem sessentista do futuro.

> Veja o que mais você pode encontrar no sistema público de bibliotecas de Birmingham

Read the Printed Word!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *